22 maio 2012

Turiassu, 1840 (12)

















Dois anos se passaram desde o último jogo oficial no bom e velho Palestra Itália e a vida sem ele só fez piorar. Vivemos agora sem rumo, de cancha em cancha, sem que qualquer uma delas se configure como nossa casa. Perdemos o que tínhamos de mais importante, perdemos o nosso refúgio, perdemos muito da nossa identidade. Mas haverá de ser tudo temporário. Dia desses, depois de muito tempo evitando olhar para os escombros de uma história gloriosa, passei a notar que já existe ali um princípio de estádio. Não existe mais apenas apenas um prédio de quadras ou qualquer coisa assim; uma estrutura grandiosa já se enxerga a partir da Turiassu, com as futuras arquibancadas tomando forma. A construção parece avançar para o alto e para os lados, e já nos permite vislumbrar um futuro em que teremos de volta a nossa casa. Quem por ali passa, de carro ou a pé, já não se depara mais apenas com um imenso vazio; o velho Palestra ressurgirá. O olhar perdido, antes sem entender o que se passava naquele lugar onde antes havia um estádio, agora mira o futuro, à espera do que está por subir novamente. Será um estádio diferente, é claro, mas ainda assim será o Palestra Italia. No mesmo local. Com a mesma vizinhança. Com os mesmos de sempre – e com os novos que virão com as gerações seguintes. Passa-se por ali e sabe-se que o alviverde imponente voltará a surgir. Não há gramado ainda, tampouco algo a nos aguardar, mas é tudo questão de tempo. A Turiassu voltará a ficar repleta uma vez por semana, o povo voltará a tomar os bares próximos, não mais ficaremos em dúvida sobre onde jogaremos na próxima semana. Estaremos em casa, enfim. Todo o resto pode desmoronar, mas ao menos teremos de volta o estádio onde vivemos os melhores momentos de nossas vidas. Ao Palestra!

###

Texto de Ugo Giorgetti em 02.06.2011:

"Não sei o que pensar, não sei o que estamos perdendo. Mas estamos. Toda destruição é uma perda.

Talvez os peregrinos que vão até esse lugar e se apoiam na cerca olhando a devastação estejam procurando avaliar o que estão perdendo. Porque as marteladas não podem atingir as memórias e tenho certeza que diante de todos, torcedores do clube ou não, ao passar por esse lugar alguma coisa os atinge, como quem atravessa algum célebre campo de batalha, lendário, fabuloso. Lá se travaram grandes duelos, lá houve grandes vitórias, grandes conquistas e grandes derrotas. Desfilaram por lá as maiores equipes do Brasil e da América do Sul em combates inesquecíveis. Lá foi o estádio de um grande. Fica na Rua Turiaçu, Perdizes."


Faz quase um ano. Continua absolutamente imperdível e igualmente emocionante. "Lá foi o estádio de um grande." E assim será.

###

A despedida (13.05.2010)

Imortalidade (23.05.2010)

10 comentários:

Lucas disse...

A sensação que ainda fica, é que as marteladas e tudo o que acontece ali diariamente, não tira de lá a nossa alma. Ainda temos uma casa!



A propósito, nunca fui à Arena Barueri, em qual setor a Mancha fica?

CASSELLl disse...

Trabalho nos prédios ao fundo da foto na Matarazzo (popularmente nos prédios da Price) 13º andar e tenho o privilégio da minha mesa ser voltada ao Palestra. Realmente as obras estão acelerando. Além das novas estruturas tanto no amendoim quanto no visa estarem bem altas, ontem começaram a estrutura na curva atrás do gol, furando a arquibancada antiga e cravando novas pilastras da modernidade.

Avanti Palestra, fino alla morte!

gregory disse...

Pra mim foi foda, que depois do ultimo jogo eu tive uns negócios pra resolver na faculdade e fiquei um tempo sem ir pra jogo principalmente por causa de dinheiro =/, e quando fui [até lembro o jogo que foi, um Palmeiras 1 x 1 contra a galinhada] cheguei no Palestra antes pra tomar umas brejas no Alviverde e vi o estádio completamente destruído. Não estava preparado para aquela cena, e pior que até hoje não estou.

Mas é bom hoje você ver no meio daquela destruição um esboço de estádio surgindo, dá esperança que tá chegando o dia que voltaremos a nossa casa esteja chegando.

gregory disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
S. BENDASSOLI disse...

NAO OBTIVE RESPOSTA DO ADMINISTRADOR DO BLOG SOBRE O QUE ELE ACHAVA DA ATITUDE DE HERRERA CONTRA O REPORTER DA GLOBO ESPORTE!!!!!

ESTOU NO AGUARDO...

Anônimo disse...

Meu caro Barneschi,
Um dia me mudei para a Rua Caraíbas , travessa da Turiacu que começa bem em frente ao nosso amado Palestra. Da varanda do meu apartamento podia olhar para o nosso sagrado estádio todos os dias, e isso passou a ser um vício, um conforto, um sentir-se em casa, uma satisfação ao sentir a proximidade do lar, dos amigos, dos iguais...Tantos anos já se passaram e eu continuo olhando todos os dias para o o nosso eterno Jardim Suspenso, e tenho a certeza de que nunca mais sairei de lá...Poder ver o estádio do meu alviverde imponente pela janela tornou o meu endereço definitivo...É essa a paisagem que quero ter até o fim dos meus dias. E como é bom descer a rua a pé e ir se mistruando com a multidão, parceira de fé, de crença,de esperança, de paixão...Como é bom, a despeito da diretoria infame,poder sentir-se e ser palmeirense! Forte abraço,

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Barneschi disse...

Lucas
A Mancha fica no setor B, aquele enorme tobogã atrás do gol.

Bendassoli
O Herrera é argentino, certo? E teve uma atitude contrária à maldita Rede Globo, certo? Pois bem, isso apenas reforça a minha tese de que o futebol vive mesmo na Argentina. E também no Uruguay. O ataque do Botafogo, com Herrera e Loco Abreu, é exemplar ao menos na postura.

Anônimo disse...

barneschi obrigado por mais esse texto espetacular!!!!! viva o palestra!

gregory disse...

Penso o contrário de vocês nesse caso do Herrera, acredito realmente que o cara nem fazia ideia do que é esse quadro do Fantástico, e não que ele foi contra a Globo como alguns estão afirmando por ai.

Lógico que a postura dele, do Louco Abreu e dos outros que jogam em terras tupiniquins são invejáveis, mas não achei que ele fez isso para peitar ninguém.