01 maio 2012

Paulista/1994: a maioridade



1º de maio de 1994, Jd. Leonor, zona sul da capital paulista. Em campo, SPFW e Palmeiras. A cidade O país O mundo estava em choque com a morte de Ayrton Senna. Seguiram até aquele campo perdido na zona sul quase 60 mil pessoas. Às gerações recentes, devo dizer que clássicos levavam esse público ao estádio sempre e que a briga pela maioria na arquibancada era “gomo a gomo”.

Palmeiras e SPFW chegaram àquela tarde de domingo cumprindo boas campanhas no estadual. A classificação antes da 25ª rodada (de um total de 30) apontava o Palmeiras na liderança (37 pontos), os gambás em segundo (36) e os bichas em terceiro (34, com dois jogos a menos). Valia ainda o sistema de dois pontos por vitória e um por empate, de tal forma que um triunfo deixaria o alviverde com vantagem sobre o rival do Jd. Leonor no critério de pontos perdidos.

Para todos os efeitos, menos os efetivamente práticos e matemáticos, aquele foi o jogo do título paulista de 1994. A conquista formal viria algumas rodadas depois, mas poderia não ter vindo se não fosse por aquele 1º de maio. Era um clássico, o inimigo estava do outro lado, e a dramaticidade foi ainda maior que o esperado.

O vídeo acima, creio eu, é mais efetivo que qualquer descrição no sentido de explicar o que representou aquela partida: dois times fortíssimos, os bambis na frente com 0-1 e 1-2, as torcidas dividindo o estádio, a entrada de Maurílio já nos minutos finais, o fato de o juiz interromper a cobrança de escanteio para que ele entrasse (e vejam como isso foi decisivo), o grito de "burro", o gol, a improvável falta para o gol de Evair, a cobrança de El Matador...

Mas eu não quero que este post fique restrito apenas ao clássico de 1º de maio de 1994. Faço questão de resgatar cada um dos duelos que fizeram aquele título ser possível. Foram 30 jogos, com 20 vitórias, 7 empates e 3 derrotas; 63 gols pró e 24 gols contra. Média de público: 19.626. E lá se vão 18 anos...

A campanha:

1º turno

Ferroviária 0-2 Palmeiras - 13.132
Bragantino 2-2 Palmeiras - 4.500
Palmeiras 5-0 Ponte Preta - 12.897
Ituano 1-6 Palmeiras - 12.812
Palmeiras 1-1 União São João - 24.215
Palmeiras 4-0 Portuguesa - 19.737
América 0-0 Palmeiras - 15.500
Guarani 0-2 Palmeiras - 15.655
Palmeiras 2-0 Novorizontino - 14.410
Palmeiras 1-2 SPFW - 54.234
Mogi Mirim 0-1 Palmeiras - 10.566
Santos 1-4 Palmeiras - 23.528
Palmeiras 2-0 Santo André - 6.584
SCCP 1-0 Palmeiras - 51.460
Palmeiras 1-1 Rio Branco - 8.918

2º turno

Rio Branco 1-2 Palmeiras - 13.077
Ponte Preta 2-1 Palmeiras - 7.641
Palmeiras 4-2 Guarani - 21.129
Palmeiras 1-1 Santos - 27.796
União São João 0-0 Palmeiras - 5.065
Portuguesa 0-0 Palmeiras - 21.875
Palmeiras 6-0 Bragantino - 8.650
Palmeiras 2-1 Ferroviária - 12.873
Palmeiras 1-0 América - 30.173
Novorizontino 1-1 Palmeiras - 12.465
SPFW 2-3 Palmeiras - 58.431
Palmeiras 3-2 Mogi Mirim - 14.791
Palmeiras 1-0 Ituano - 27.824
Santo André 0-1 Palmeiras - 11.070
Palmeiras 2-1 SCCP - 27.788

Os jogos estão todos aí e então eu gostaria de fazer ponderações que me parecem necessárias. Tinha começado o post buscando descrever jogo a jogo, mas percebi que ficaria um texto enorme e provavelmente desinteressante. Vamos lá:

_Antes de tudo, notem que a tabela daquele ano foi uma verdadeira bagunça:  (1) o Palmeiras fez os dois primeiros jogos fora de casa; (2) há inúmeras ocasiões em tivemos dois jogos seguidos em casa ou fora; virou quase um padrão do torneio; (3) para piorar, há uma sequência de três jogos consecutivos como mandante no returno - com três vitórias; e (4) não houve lógica alguma na ordem entre os confrontos de cada turno. Observando agora, 18 anos depois, fica a impressão de que a tabela foi sendo montada durante o campeonato.

_O Palmeiras começou jogando melhor fora de casa que no seu próprio campo (com alguns empates contra times do interior). Mas, de maneira geral, o primeiro turno ficou marcado pelas duas derrotas em clássicos contra rivais paulistanos: 1-2 para os bambis e 0-1 para os gambás.

_O auge da campanha no primeiro turno se deu na vitória sobre a Portuguesa (4 a 0), com dois gols de Edmundo e outros dois de Evair. Foi também o jogo em que eles se desentenderam no vestiário. Sinal dos tempos: os caras se odiavam fora de campo, mas decidiam dentro. Hoje vagabundo fica com ciúme por qualquer coisa e para de jogar. (o Luciano Coelho lembrou bem aí nos comentários que o desentendimento entre os dois foi no Portuguesa 0-4 Palmeiras de 1993 e não neste aqui. Está certo.)

_O único momento de crise aconteceu no início do returno, nem tanto pela campanha no Paulista, mas sim pelos tropeços na Libertadores. Lembro que o Palmeiras teve naquele ano o mais difícil de todos os grupos da história da competição, com Cruzeiro, Boca Juniors e Vélez Sarsfield (os quatro já tinham conquistado ou viriam a conquistar a América). O Palmeiras perdeu os três jogos fora de casa e venceu os três em casa, o suficiente para garantir a vaga. O problema é que essas três derrotas como visitante aconteceram quase na sequência e vieram acompanhadas de uma derrota para a Ponte em Campinas. Resultado: a torcida declarou guerra a alguns atletas. Foi em peso ao Palestra para o jogo contra o Guarani (em um tarde de sexta-feira, feriado) e viu o time sepultar a crise com uma bela vitória por 4 a 2.

_Depois desse jogo, vieram três empates na sequência e o Palmeiras chegou a perder a liderança. O que impressiona é a arrancada final: oito vitórias e um empate, com direito a cinco vitórias nos últimos cinco jogos. Não tinha como aquele time não ser campeão!

_Público de Portuguesa 0-0 Palmeiras no Canindé: 21.875 pagantes. Eu me pergunto hoje: como é que coube isso tudo lá dentro?

_O time que foi a campo naquele 1º de maio: Fernandez, Claudio (Maurílio), Antônio Carlos, Cléber e Roberto Carlos; Sampaio, Mazinho, Edílson e Zinho; Rincón (Amaral) e Evair. Técnico: Wanderlei Luxemburgo. Renda: CR$ 485.601.000,00. Público: 58.431.

_Tempo dos gols:
Müller (SP), 18' do 1°
Edílson (PAL), 26' do 1º
Leonardo (SP), 39' do 1°
Maurílio (PAL), 31' do 2º
Evair (PAL), 37' do 2º

_É provável que 1994 tenha sido o ano em que o Palmeiras foi mais forte dentro do seu estádio em toda a história. Foi, digamos, o auge do clube em seu estádio. Vejamos, pois, a campanha durante toda a temporada: 34 jogos, 27 vitórias, 6 empates e 1 derrota; 86 gols pró e 21 gols contra. A única derrota foi sofrida para o Guarani (0-1) em um jogo sem grandes consequências no Brasileirão. O melhor resultado? Aquele 6 a 1 contra o Boca.

_Vale registrar pelo menos mais dois vídeos daquela campanha:

Palmeiras 5-0 Ponte Preta, rodada 3:

Santo André 0-1 Palmeiras, rodada 29:

Palmeiras 2-1 SCCP, rodada 30:

22 comentários:

Anônimo disse...

Jogaço esse. Lembrando que valbér, zagueiro do São Paulo, deixou a marcação no gol do escanteio para quebrar a mandibula do filho da puta do Antonio Carlos. Merecido, pois para aquele filho da puta, qualquer fratura era pouca.

Pedro Pellegrino disse...

Muito legal esse post. Rodrigão, infelizmente, não quero ser pessimista(já sendo) mas creio que vamos entrar em uma grande fila. Já estamos em algumas,não,é? Brasileiro, Copa do Brasil, Libertadores nem se fala então. Sinceramente depois que perdeu aquele título de 2009, eu acho que os deuses do futebol cansaram literalmente do Palmeiras e vão fazer a gente sofrer por muito anos. Enquanto não surgirem cabeças pensantes na diretoria, jovens, vai ser eternamente esse sofrimento e vamos viver de recordações. Grande abraço.

Anônimo disse...

Pontos altos desses vídeos:

- Arquibancadas do Morumbi estrumbadas de gente.

- Sem dancinhas de jogadores após os gols.

- Torcida invadindo o gramado para comemorar antes mesmo do jogo acabar.

- A som da torcida (e do narrador também) explodindo no gol do Edilson foi sensacional. Alias, o Silvio Luis quando tinha essa potência na voz fazia narrações monstruosas.

- Eu vi certo: o Pacaembu não tinha a atual divisão de setores assim como o Palestra antes do setor visa?

conrado disse...

SENTA TELE, O SAO PAULO VAI PERDÊ!

jogos maravilhosos. importante ressaltar que a torcida chama o luxa de burro nao porque ele colocou o maurilio, mas porque queria a saida do rincon, que estava andando em campo, mas o luxa tirou o claudio.

nos fantasticos 4-0 sobre a lusa, a briga do evair com o edmundo foi DENTRO DE CAMPO, a tv flagrou o evair chamando o edmundo de MOLEQUE varias vezes

e a bagunca que voce citou na tabela era tao grande que o palmeiras foi campeao em santo andre no intervalo, ja que o spfc jogava com o novorizontino e só empatou, precisava ganhar e torcer para uma derrota nossa. como o jogo das meninas aconteceu uma hora antes do nosso, no intervalo ja éramos campeoes.

radiossauro3 disse...

Que saudades dessa bandeira "sueca" nos estádios, hahahahaahha. Imagem que nunca esqueço, dos meus primeiros jogos in loco.

Abraços.

Luciano Coelho disse...

O jogo da briga entre Edmundo e Evair é o Palmeiras x Portuguesa de 1993.

Anônimo disse...

Bom ver recordações dos mais digamos "VELHOS MESMO PORRA" hehehe... Nasci em 1990 não pude acompanhar com consciência o time de 93/94... Claro que sempre busco saber sobre o time daquela época. E até meu pai, Tio e família dizem que o PALMEIRAS ganhava o jogo na hora que quisessem, pois quando realmente queriam jogar não tinha quem os segurassem !

Danillo Bovi

Anônimo disse...

BARNESCHI...

Acredita que os TORCEDORES do PALESTRA dessa época de 2000 podem ser chamados de OPORTUNISTAS ?
Só para saber de sua opinião mesmo.

Danillo Bovi

Guilherme Lima disse...

Barneschi,

Eu lembro particularmente de 3 jogos dessa campanha:

Palmeiras 4-0 Portuguesa
Fora a briga entre Edmundo e Evair, lembro de um baita sorvete de milho verde, que eu tomei, num calor de mais de 30 ºC... resultado: amigdalite e faltas na segunda, terça e quarta seguintes na escola!

Portuguesa 0-0 Palmeiras
Esse foi, até agora, meu ÚNICO jogo no Canindé. E tinha tudo isso de público sim (hoje eu também me pergunto como)

SPFW 2-3 Palmeiras
Seu post descreve melhor qualquer relato meu (lembro que ninguém de casa queria ir no jogo por causa do Senna, e eu falei: agente vai ver uma vitória do Palmeiras, não o velório do Senna).

Valeu por me fazer voltar no tempo de um modo tão feliz!

Daniel Ferreira disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
BrunoBatera disse...

Good Times!!!! O grande título da história do Palmeiras é a Libertadores-99, mas, incrivelmente eu lembro muito mais dos jogos do ano de 94 do que de qualquer outro ano! E que ano marcante! Só uma pequena correção: Nesse jogo de 1º de maio, os dois gols do SPFW foram de Euller e Müller. Leonardo marcou no jogo do 1º turno. Abs

Samora Jr disse...

O melhor eh o Silvio Luis gritando Dibre da vaca.... Hahahahh

Anônimo disse...

A narração do Silvio Luis era do caralho. E nos vídeos, 2 exemplos dos maiores traíras da história: Edílson e Rincón.

Me lembro do golaço do Edílson contra os gambás até hj

Psevucki disse...

Que se registre tambem o jogo contra o ituano, que com a vitoria, nos deu praticamente o bi campeonato, com direito a invasao de campo e grito de bicampeao.

Guilherme Nicoletti disse...

PÔ Barneschi ,

Sensacional esse post. Acho que to ficando velho mesmo , mas estava no Morumbi com o meu saudoso pai no dia da morte do Senna. Assistir esse vídeo me deixou arrepiado. Esse ano de 94 foi mesmo incrível. O duro é assistir um vídeo desse e pensar nos vagabundos que temos hoje em dia. Um Maurílio nesse atual elenco , seria o melhor jogador do time. Em 94 era um cara pra compor elenco. Ê saudade ...

vitor disse...

bons tempos, hein? estádio cheio, sem as proibições de merda de hj, qdo o Palmeiras era Palmeiras...é, qm viveu viveu, qm não viveu não vive mais.

e naquela época, 4 derrotas seguidas (em 4 jogos complicados) bastaram pra torcida cobrar os jogadores. hj a geração série b é só apoio, chupação, e passada de mão na cabecinha (sim, na chapeleta) msm se for eliminado pra goiás, vasco b e coxa.

Volta, Palmeiras!!!
Fora, Geração Série B!!!

Forza Palestra disse...

Anônimo 1
Lembrou bem a questão do Valber. Eu não tinha levado em conta, mas a imagem é mesmo impressionante de tão clara.

Anônimo 2
Sim, você viu certo: o Pacaembu tinha a arquibancada inteiriça, sem divisão com grades e/ou setores distintos ao menos até 1995. Foi depois disso – não consigo precisar mês ou ano corretos – em que enfiaram aquelas grades e criaram o setor laranja, mas era tudo junto sim.

Conrado
Boa ponderação sobre o xingamento ao Luxa e depois tivemos mais dados interessantes na conversa pelo Twitter. Boa lembrança também esta do momento do título em Santo André.

Luciano Coelho
Cara, pior que você tem razão, viu? A confusão se deu porque tivemos esse resultado de 4 a 0 no jogo do primeiro turno entre Palmeiras e Portuguesa nos dois anos (1993 e 1994), mas o primeiro foi no Pacaembu (portanto, o da briga) e o segundo, no Palestra (tanto é que jogamos depois no Canindé, no returno). Vou modificar o post, mas faço aqui o reconhecimento.

Danillo Bovi
Não entendi a pergunta, cara. Do que se trata?

Vitor
Bem lembrado. Atenção para as quatro derrotas que levaram à crise: Boca 2-1 Palmeiras, Cruzeiro 2-1 Palmeiras, Vélez 1-0 Palmeiras e Ponte Preta 2-1 Palmeiras. Todas bem complicadas.

Anônimo disse...

Esquece Barneschi...

Foi uma coisa que passou pela minha cabela e acabei escrevendo.
É que a geração de torcedores nascida em 2.000 nunca teve a oportunidade de ver um time desse tipo 93/94 mesmo assim sempre está aí com o clube, talvez uma geração de GRANDE conceito no meio dos torcedores por passarem todo esse tempo sem ter praticamente nada em troca. E até mesmo a geração de 1990 que só teve a oportunidade de ver o time com consciência mesmo a partir de 1998 (que foi meu caso).
Foi só um pensamento. Talvez seja uma pequena bobagem, esquece.

Danillo Bovi

Anônimo disse...

cabela (cabeça)


Bovi

FC disse...

Com quase 14 anos em 94, lembro bem do primeiro jogo desta série de derrotas... contra o Boca... depois dos 6x0, vendo pela TV com meu pai... lembro do time do Boca comemorando a vitoria como se fosse um título...

Os jogos contra o SPFW sempre foram nervosos e a flor da pele, principalmente nesta época em que tinhamos um baita time e o Tele e a imprensa não se conformavam que tinha perdido o título de "melhor time".

Esse foi sem dúvida o jogo do título.
Contra o SCCP, na ultima rodada, jogo das faixas, foi bem bacana ver maioria Palmeirense no Pacaembu com golaço já no início do jogo.

DÚVIDA - tenho certeza que foi em 94... mas não lembro se foi neste jogo do Paulista ou nas finais do Brasileiro, que o SPFW esburacou o próprio gramado do Panetone para que Palmeiras x SCCP nao jogassem la?

Abrax,
FC

Anônimo disse...

Não tinha visto até o final: e o Sílvio Luis cantando o hino no jogo contra o Santo André? O cara era foda, quando é que um narrador pau no cu de hoje faria isso?

Forza Palestra disse...

FC,
Foi exatamente neste Paulistão que aconteceu o episódio ao qual você se refere. Não entendo como pude não levar isso em conta na hora de escrever o post, mas você fez bem em lembrar.
Recomendo este post aqui: http://forzapalestra.blogspot.com.br/2008/04/um-pouco-mais-de-histria.html
Abraços e valeu!